Praticidade e Economia: Marmitas Semanais

Olá pessoal, hoje venho trazendo um tema para vocês que há tempos estão me pedindo lá no Instagram: Marmitas Semanais / Congeladas que faço desde quando os pequenos iniciaram a ‘Introdução Alimentar’ e que facilitou muito a logística dos preparos aliada ao tempo de qualidade que sobra com a família, se estendendo a ela também com refeições prontas, a qualquer hora. Sem contar a economia que isso gera no orçamento mensal (maridos vão amar ler isso! risos!)

A maior dúvida que percebi é em relação a quantidade de insumos para realizar refeições em grande escala, assim, abaixo realizei parâmetros que funcionam por aqui, mas não são regras para todos e sim podem ser adequados para cada família.

Parâmetros para QUANTIDADE DE INSUMOS x QUANTIDADE DE REFEIÇÕES

Marmitas descartáveis
– podem ir ao microondas e ao freezer – de 500ml
– utilizo da marca ‘PraFesta’ (Não é publicidade) e já compro o pacote, mas quem puder ter de vidro, é melhor;
– Ou se você adquirir a marmita que vem com divisórias, é super interessante, só não utilizo, pois ocupa maior espaço no freezer.

2kg Carne de Panela: utilizo ‘Peixinho’ limpo
– rendem de 6 (sem legumes) a 10 (com legumes) marmitas, tudo vai depender se terá legumes ou não (nas quantidades de 2 cenouras, 3 mandioquinhas e 250g de vagem);

1kg Bife Fino – em média 8 filés – utilizo BabyBeef/Coxão Mole/Mignon – vario entre picadinho acebolado, strogonoff e grelhado;
– rendem em média 2 marmitas de strogonoff, 2 de bife acebolado e 2 de bife grelhado;

2kg de Carne Moída: utilizo ‘Patinho’ limpo 
– Muitas vezes divido em:
– 500g para almondegas – rendem várias bolinhas pequenas que podem ser ao molho ou não;
– 1kg para refogada e com legumes (cenoura e vagem) – rende em torno de 6 marmitas;
– 500g para Hamburguer Caseiro – rendem 4 unidades médias;
rendem em média 12 marmitas

1kg de Filé de Frango Grosso – em média, são de 4 a 5 filés
– Onde faço grelhado/airfryier ou em cubos (acebolados ou para frango xadrez ou para molho);
– É possível dividir a quantidade e fazer desfiado com tomate e cebola;
– rendem 2 marmitas de picadinho acebolado, 2 marmitas de grelhado ou xadrez;

5 unidades de Sobrecoxa: vario entre filé de sobrecoxa (quando está desossada) ou com osso;
– rendem a quantidade unitária de frango;

1kg de feijão: vario entre o escuro e o claro cozido e temperado,
mas fica a critério do costume de cada casa;
– rende em torno de 12 marmitas;

1kg de tomate maduro: utilizo o italiano
– rendem em torno de 4 potes de 500ml (aqueles redondos) de molho;

1kg de Couve Picada ou Escarola ou Espinafre
– rendem em torno de 8 marmitas;

1kg de Arroz: utilizo o integral, mas pode ser utilizado o branco ou outro
– rendem 20 marmitas;

500g – aprox. – de Purê de Inhame com Mandioquinha: utilizo 3 inhames e 5 mandioquinhas, por aqui preferimos este para congelar do que o de batata, salvo se utilizar batata doce com inhame, ambos feitos com água e não leite, refogados no tempero de alho e cebola;

500g de Peixe: utilizo Salmão, Saint Peter, Pescada Branca, Cação – em média são de 4 a 5 unidades;
– rendem a quantidade unitária de peixe;

1kg – aprox. – Seleta de Legumes
– rendem em torno de 12 marmitas, utilizo 6 cenouras médias (cortes em palito ou rodelas ou quadradinhos), 500g de vagem ou aquela bandejinha inteira, 1 brócolis, 1 couve-flor, meia acelga picada;

Montagem das marmitas (embalagem retangular):
1ª camada: feijão, purês, etc.
2ª camada: arroz, quinoa, etc.
3ª camada / lado a lado: vegetais – legumes, proteína, verduras, etc.

Imagens 01, 02, 03, 04: Como faço a montagem das marmitas. Via Arquivo Pessoal.

Outra observação é sobre o tamanho do freezer para armazenamento, posso dizer a vocês que meu freezer não é um super-master, mas eu consigo acomodar pelo menos 20 refeições em marmitas de 500ml na gaveta dele – fora as versáteis, que não é das maiores também. Acredito que organizando e encaixando as embalagens, vocês consigam ver uma quantidade bacana para fazer , sendo assim, planejar o mês ou X dias de vocês.

IMG_20170508_201905
Imagens 05: Organização na gaveta do Freezer. Via Arquivo Pessoal.

E sem dúvidas uma super salada para acompanhar, num pote ou marmita separada para tê-la fresquinha, com o esquema de tempero abaixo:

salada pote Nutri Renata EstevesImagem 06: Esquema para montagem de salada no pote. Via Pinterest – Nutri Renata Esteves.

IMPORTANTE!

1. Se tiverem alguma dúvida, podem me escrever que será super bacana poder ajudar ou se preferirem, tenho estas informações em planilha para envio,
2. Vale lembrar que se houver um acompanhamento do profissional, é para segui-lo, para restrições alimentares também, o intuito deste Post é orientar e não receitar dietas especiais.

Agora que os parâmetros de quantidades foram explicados, vou compartilhar com vocês algumas dicas que durante a experiência na cozinha e outras com ajuda profissional me fizeram aprimorar as técnicas:

DICAS

1. O que ajuda muito é deixar o feijão/lentilha cozidos, potinhos de ‘misturas’ como carne de panela, moída, molho com alguma proteína – para fazer com macarrão fresquinho, strogonoff, picadinhos de carne ou frango, entre outros e também, para emergência, arroz congelado separado em porção. Isso para que um dia ou outro, vocês não queiram descongelar uma marmita pronta para cada um ou até mesmo para visita e tenha uma outra opção;

2. Deixar os legumes cozidos al dente, pois o congelamento já os amacia;

3. Utilizar pouco sal (ou nada de sal nos legumes) e ajustar quando for realizar a refeição, pois o sal potencializa no congelamento,

4. Nas verduras refogadas, não utilizar sal, pois elas tendem a soltar água e podem deixar a marmita ‘aguada’.

Ufa! Como comentei, ia ser longo, mas com muita informação bacana, espero que gostem e que compartilhem também.

Com carinho,
Nathália.

 

Anúncios

Lancheira: Dicas de Montagem

Com a volta às aulas, há instituições que oferecem as refeições e lanches – pagamento de taxa extra, e outras abrem a opção dos pais enviarem a lancheira – de acordo com um parâmetro nutricional já estipulado – que os pequenos tanto adoram!

Recebi algumas dicas do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, da nutricionista Patrícia C. Berger, para conseguir orientar melhor a tarefa de montar uma lancheira bem bacana e que seja completa, além de ser atrativa com o equilíbrio necessário.

“Os pais não podem desanimar e se render aos lanches prontos, pois são menos nutritivos, MAS não adianta insistir para o filho comer bem se os pais não dão o exemplo em casa”, ressalta a nutricionista.

Assim, a fim de montar uma lancheira ideal, os alimentos devem ser saudáveis e, ao mesmo tempo, do gosto da criança. A diversidade de alimentos é importante, as cores devem ser atrativas, já que a repetição dos itens pode levar a criança a enjoar e ficar desestimulada.

“É importante envolve-los na montagem. Pedir a opinião desperta o interesse pelo alimento que ele irá ingerir”, comenta ainda .

Abaixo, segue uma lista com dicas bacanas e orientações de como vencer este desafio de maneira harmoniosa:

  1. Prefira as lancheiras térmicas, pois permitem um melhor acondicionamento dos alimentos e mantêm a comida mais fresca.
    – Quando saímos por aqui, costumo colocar aqueles ‘coolers’ dentro da lancheira, ajuda muito!

  2. Abuse da variedade das frutas. além da maçã ou banana, outras também são práticas para o consumo, como laranja, mexerica, pera, uva, morango, manga, melão ou melancia. As frutas devem ser enviadas já lavadas e secas, em potes vedados, e podem ser picadas em formatos divertidos. Importante aproveitar as frutas da estação, além de mais saborosas tem melhor custo.

  3. Incentive, desde cedo, a ingestão de líquidos, principalmente água mineral. Se preferir sucos naturais, congele o líquido em forminhas e coloque os cubos na garrafa térmica. A bebida irá descongelar aos poucos até a hora do lanche. Polpas ou sucos integrais livres de corantes, acidulantes, sódio e açúcar também são indicados.

  4. Prefira pães ou biscoitos integrais, multigrãos, de arroz, mandioca, cenoura ou de milho ao invés de pães brancos, bisnaguinhas, bolachas recheadas e salgadinhos. Os pães podem ser preparados com ricota, queijo tipo cottage ou cream-cheese como base.

  5. Petiscos são atrativos para as crianças. Queijos em cubos, tomate cereja e cenouras baby podem ser levados em um pote ou em formato de espetinho. Também são boas opções os biscoitos de polvilho, frutas desidratadas e mix de castanhas e cereais sem açúcar.

  6. Seu filho gosta de bolos? Faça opções mais saudáveis e saborosas, como de cenoura, limão, coco, laranja e até o de chocolate (feito com cacau em pó). Se puder, troque a farinha de trigo refinada por integral, aveia ou biomassa de banana verde. O açúcar comum pode ser substituído pelo mascavo.

  7. Se mesmo assim seu filho preferir o lanche do colega, procure saber o que o amigo costuma levar e inclua no cardápio da semana. Se forem guloseimas, combine o consumo a cada 10 ou 15 dias.

E com estas dicas, fica mais fácil diversificar no dia-a-dia, contando com a lancheira escolhida, abaixo listei também algumas opções que temos disponíveis no mercado entre lancheiras, marmitinhas e garrafas:

Imagens 01, 02, 03, 04, 05 e 06: Lancheira My Little Pony, da By Kids; Lancheira DinoTrux, da Luxel; Do querido McQueen/Carros, da Dermiwil; Da Peppa Pig, por Xeryus; Da Magali, por Pacific e por último, mais comum com as de antigamente, com direito a personalização com foto, da Plasútil. Via Lojas Americanas, Xeryus Oficial e Plasútil Oficial.

Imagens 06, 07, 08 e 09: Marmitinhas com divisórias da Daiso Japan; da La Cuisine que eu acho super bacana; da Mimo Style que vem com garfinho e Tupperware que eu tenho em casa. Via Daiso Japan Loja Virtual, Shoptime e Pinterest – Morgan John.

Imagens 10, 11 e 12: Garrafas/Copos Térmicos para melhor condicionamento dos líquidos com canudo em silicone e os dois últimos em inox com canudo também. Via Lojas Americanas, Mercado Livre e Baby-X.

Espero que tenham gostado!

Com carinho,
Ná Pironato.

COMPLEXO HOSPITALAR EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.400 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil, conquistado pelo sexto ano consecutivo em 2016.

Rua Borges Lagoa, 1.450 – Vila Clementino, Zona Sul de São Paulo.
Tel. (11) 5080-4000
Site: www.hpev.com.br
Facebook: www.facebook.com/ComplexoHospitalarEV
Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV
YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV

Ceia Prática de Natal: Receitas de Micro-Ondas

Na última quarta-feira, estivemos presentes para mais um Papo Gourmet, na sede da LG do Brasil com a Camila Masullo, do blog  Sal de Flor, que nos trouxe receitas Natalinas práticas para otimizar o tempo na cozinha com um sabor incrível!

Como boa aprendiz de Chef (risos), amei o convite e não deixei passar nenhum detalhe que a Camila  nos apresentou na bancada e acreditem, foram 5 receitas para a proposta da Ceia Express, que em 1 hora e meia estava tudo pronto – UMA HORA E MEEEEEIA, vocês leram certo!!!! – com um sabor incrível, estavam deliciosos!

Assim, vamos lá, admito que fiquei receosa com esse pouco tempo e tanta coisa boa sendo preparada, mas quando vi acontecendo, o resultado e depois a degustação, super indico para fazerem em casa, vale a pena para curtir mais a família com #comidaboa do mesmo jeito!

Imagem 1 e 2: O menu degustação no buffet e no prato. Via Arquivo Pessoal.

Ufa! Agora chega de falar tanto e vamos ao que interessa: AS RECEITAS!!! Portanto, mãos a postos, papel e caneta, são elas:

SALPICÃO DE FRANGO

backup-dez16-9078

Imagem 3: Salpicão fresquinho com batata e beterraba palhas. Via Arquivo Pessoal.

CUSCUZ MARROQUINO

backup-dez16-9077

Imagem 4: Cuscuz pronto para ser degustado. Via Arquivo Pessoal.

Ingredientes:

  • 1 embalagem de cuzcuz de 500g (marca Divella)
  • 250g de bacon fatiados
  • 10 unidades de damasco seco
  • 2 cebolas roxas picadas
  • 1 alho poró picado
  • 3 colhers de sopa de manteiga
  • 1/2 xícara de castanha do pará picada
  • 500ml de água
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1/3 xícara de cheiro verde (salsinha e cebolinha picadas)

Modo de preparo:

Coloque as fatias de bacon entre 2 folhas de papel toalha e leve ao microondas  de 6 a 7 minutos. Reserve.
Aqueça a água por 3 minutos no micro-ondas e regue o cuscuz com a água aos poucos. Vá mexendo com um garfo para soltá-lo. Tempere com sal, pimenta do reino e azeite. Cubra-o com um pano e deixe descansando por 2 minutos.
Em uma tigela, misture a cebola, o alho poró, a manteiga e refogue no micro-ondas por 4 minutos. Reserve.
Leve o cuscuz ao micro-ondas por 2 minutos, quando estiver com 1 minuto, mexa delicadamente com um garfo. Retire.

Junte todos os ingredientes, o bacon picado com as mãos, a castanha picada, o cheiro verde, o refogado de cebola com alho poró e manteiga e o damasco.

Decore e já está pronto para servir!

ARROZ CREMOSO DE MICRO-ONDAS

backup-dez16-9075

 Imagem 5: Arroz cremoso desenformado. Via Arquivo Pessoal.

Ingredientes:

  • 2 xícaras de arroz cru
  • 3 xícaras de água
  • 2 taças de espumante, ou vinho branco *
  • 1/2 cebola picada
  • sal
  • 1 dente de alho
  • 2 colheres de sopa de manteiga
  • 4 colheres de sopa de maionese
  • 1 copo de leite
  • 300 gramas de peito de peru picado
  • 1 xícara de nozes picadas (pode ser amêndoas, castanhas…)
  • 1/3 de xícara de cheiro verde picada
  • 300 gramas de muçarela ralada
  • tomates cereja para decorar
  • folhinhas de manjericão para decorar
  • nozes inteiras para decorar

*Caso não queira bebida alcoólica, substitua por água.

Modo de Fazer:

Coloque em uma tigela grande e própria para micro-ondas o arroz, a água, cebola, alho, manteiga, espumante e sal. Leve ao micro por 15 minutos.
Em outra tigela, misture: maionese, leite, peru, cheiro verde, muçarela e nozes. Junte ao arroz delicadamente. Cubra com um plástico filme e deixe uma frestinha aberta.
Finalize no micro-ondas por mais 4 minutos.

TENDER COM GELEIA DE DAMASCO E BRIE

backup-dez16-9076

Imagem 6:  Acreditem se quiser, mas a combinação de Tender com queijo Brie é sensacional! Via Arquivo Pessoal.

E para fechar com chave de ouro, a sobremesa:

ZUCOTTO DE NATAL

Imagem 7: Uma combinação de sabores em forma de sorvete com uma calda de chocolate feita com óleo de coco! Via Arquivo Pessoal.

E aproveitando que estávamos no Show Room da LG, os pratos foram preparados nos produtos Forno Solar DOM e Micro-ondas Easy Clean, que são novidades da marca com a melhor da tecnologia para o dia-a-dia de muitas pessoas, também na linha branca. (Quero um já, risos!)

Imagem 8 e 9: Forno Solar DOM é compacto e multifuncional, ideal para cozinhas pequenas e ao mesmo tempo completas: é uma combinação de forno elétrico com convecção, micro-ondas, grill, função combinada e à vapor. Já o Microondas Easy Clean conta com um acabamento para limpeza incrível, tem eficiência energética “A” e Eco ON, sem contar as 15 receitas pré-programadas e o cozimento / descongelamento uniforme com a função ‘I WAVE’. Via Site da LG do Brasil.

 Agora não tem desculpa para não ter uma ceia maravilhosa, rápida e com muito sabor! Espero que apreciem e testem, aqui já incluímos no ‘MENU’ do nosso Natal.

Com carinho,

Ná Pironato.

Bolo Pudim de Cenoura

E voltamos ao clássico bolo de cenoura, com uma versão que une o útil ao agradável: com um maravilhoso pudim de chocolate em cima!

Após conversar com a minha avó – ela é quem viu a receita na TV – fui buscar na internet para testarmos, já que a receita passada no programa que ela viu, estava um tanto quanto’estranha’, do tipo 4 colheres de sopa de trigo, 3 colheres de açúcar…

Mediante as pesquisas, decidimos que iríamos fazer a receita tradicional do nosso bolo ‘de bolo’ pudim de leite condensado – receita neutra típica da vovó – mas incluindo a cenoura e o chocolate, embora o pedido tenha sido de Ovomaltine (risos), preferimos não arriscar, por hora.

Assim, segue a iguaria para vocês poderem realizar por aí também, ficou maravilhoso, como era de se esperar (nham!).

Bolo Pudim de Cenoura 

Ingredientes

Bolo

1/2 xícara de óleo
2 cenouras grandes
2 xícaras de açúcar, usamos demerara orgânico
3 ovos
3 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de Preparo

Batemos no liquidificador a 1/2 xícara de óleo, as 2 cenouras cortadas e os 3 ovos; em outro recipiente, peneiramos as 3 xícaras de farinha de trigo, as 2 xícaras de açúcar e a 1 colher de fermento em pó; com uma colher, misturamos os secos com o líquido que foi batido no liquidificador até ficar uma mistura homogênea, no mesmo recipiente.

Pudim

3 ovos
1 lata de leite condensado
1 lata de leite de vaca
1 xícara de chocolate em pó, utilizamos o famoso ‘do Padre’
Açúcar e água para caramelizar a forma de furo no meio.

Batemos no liquidificador a lata de leite condensado, a mesma medida da lata só que de leite de vaca, os 3 ovos e o chocolate em pó; logo, fizemos a calda de caramelo com 1 xícara de açúcar e 1/2 xícara de água, deixamos no fogo até caramelar e reservamos, direto na própria forma de bolo com furo (tipo forma de pudim), acrescentamos a mistura de chocolate e por último coloque a massa do bolo de cenoura, com o auxílio de uma colher para que ficasse homogêneo.

Via Arquivo Pessoal

Com carinho,

Ná Pironato.

Suco verde? É para já!

Apesar dos últimos dias – que se transformaram em semanas – estarem super corridos, não é desculpa para não manter a alimentação balanceada – com alguns abusos de sair com os amigos, admito! (risos) – todos os dias. O corpo já habituado, sofre com esses abusos e pede para não quebrar a rotina.

Os congelados aqui fazem sucesso e não é de hoje que são uma mão na roda, seja para as refeições, seja para os pequenos ou para vitaminas ou combinações de frutas, há dois anos no escritório, começamos com o tal suco verde, não com o intuito de emagrecer e fazer da vida uma ‘dieta maluca’, mas sim de tentar introduzir no dia-a-dia, um suco mais saudável do que os de caixinha – blé, nem chegava perto e tomava o meu de polpa ou de fruta natural.

O pessoal sempre fez exercícios e gostou de se cuidar, foi só mais um ‘increase’ na vida de cada um que repercutiu em suas casa casa, para os familiares. Até quem foi contra no início, hoje diz que não sabe viver sem!

O início foi de adaptações, começamos testando algumas receitas da internet e fomos adequando ao gosto de todos por lá, fora o ‘lanchinho’ que servimos a equipe e as barrinhas de cereal compradas ou feitas por algum deles. Tomamos pela manhã, a fim de potencializar os benefícios, e acaba satisfazendo.

Vou deixar as quatro receitas que adaptamos e são as que mais fazemos por aqui:

Suco Verde 1

2 fatias de abacaxi descascado;
1 folha de couve sem o talo (pode ser 4 cubos de couve);
1 kiwi pequeno fatiado sem casca;
1 limão espremido na hora;
1/2 cenoura descascada,
1 copo de água mineral ou de coco.

Suco Verde 2

2 fatias de melão descascado;
1 folha de couve sem o talo (pode ser 4 cubos de couve);
1 kiwi pequeno fatiado sem casca;
1/2 maçã verde;
1 laranja espremida na hora ou meia mexerica espremida,
1 copo de água mineral ou de coco

Suco Verde 3

2 fatias de melão descascado ou 2 fatias de abacaxi descascado;
1 folha de couve sem o talo (pode ser 4 cubos de couve);
1/2 maçã verde;
1 limão espremido na hora ou 1 laranja (se bater ela somente sem casca, a parte branca tende a amargar o suco);
1/2 cenoura ou 1/2 beterraba,
1 copo de água mineral ou de coco

Suco Verde 4

2 fatias de melão descascado;
1 folha de couve sem o talo (pode ser 4 cubos de couve);
1/2 maçã verde;
1 polpa de maracujá batida;
1 morango ou mix de frutas vermelhas (polpa);
1/2 cenoura,
1 copo de água mineral ou de coco

VALE RESSALTAR: Em todos colocamos 1 colher de CAFÉ (aquela pequenina) de gengibre ralado ou 1 fatia fina e alternamos os dias adicionamos 3 folhinhas de hortelã.

Bater tudo no liquidificador ou na centrífuga, aqui utilizamos liquidificador e para quem preferir gelado pode acrescentar 3 cubos de gelo ou se for deixar as porções feitas para congelar, já sai geladinho. Quem preferir, pode adicionar chia ou linhaça ou goji berry. Ah! Não coamos e geralmente, tomamos entre 250 a 300 ml por dia.

Há que aprecie adicionar em torno de 3 rodelas de pepino e 2 fatias de berinjela (com a água eu já fiz e fica bom), eles funcionam como diuréticos, já fiz com ambos, mas foi aquela história de gostar e não amar, se é que me entendem! (risos!)

Imagens 1 e 2: Aparências que os sucos podem ter, o primeiro feito em centrífuga e o segundo, em liquidificador. Via dicasdemulher.com.br

O ideal é consumir logo após fazer, já que o suco perde nutrientes ao ser guardado, porém, como o tempo é restrito em algumas casas, sem tempo hábil para ficar fazendo sucos, guardar na geladeira para consumir depois é uma opção, pois mesmo perdendo parte de seus nutrientes (oxidação), ele ainda tem alguns de seus benefícios.

Espero que testem e que apreciem, até as crianças gostam por aqui.

Com carinho, beijos.
Ná Pironato.

 

Bolo de Cenoura: como pode ser tão bom?

Quem já não se pegou imaginando quem foi que inventou um bolo que leva cenouras e como pode ficar tão bom? Pois depois do meu filho mais velho me interrogar sobre isso, fui atrás de saber a história do queridinho dos brasileiros.

A receita é brasileira, sem dúvidas, mas não temos registros de quanto tempo ela é preparada pelo Brasil como conhecemos, sabemos via alguns historiadores que ela é uma variação norte-americana o carrot pudding, que leva uvas passas, nozes, especiarias e cobertura de cream cheese.

O hábito de incluir cenouras em massas para bolos, tortas (principalmente as de liquidificador) e outros, é do tempo da Idade Média. Era um mecanismo para incluir elementos doces na receita, como a cenoura, a famosa batata-doce e a adocicada beterraba que, além de dar sabor e adoçar a receita, além de atraírem visualmente devido às suas colorações.

No Brasil, há relatos de que a receita só apareceu nos livros culinários a partir de 1960, assim, deixando a dúvida de quando foi realmente o nascimento do bolo de cenoura. Só podemos afirmar com certeza, desde então, de que ele ganhou fama e se tornou um marco da culinária caseira do nosso país.

(Fonte: http://amo.kitchenaid.com.br/receitas/doces/bolo-de-cenoura-o-queridinho-dos-brasileiros/)

Agora, posso deixar a receita que utilizamos na minha família e que faz super sucesso:

Bolo de Cenoura (com ou sem iogurte)

Ingredientes

2016-05-30 18.18.54

Via Arquivo Pessoal

3 cenouras médias ou 4 pequenas
3 ovos
1 pote de iogurte, se gostar
1/2 pote de óleo, podendo ser substituído por água
1 e 1/2 xícara de açúcar ‘demerara’
3 xícaras de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de Preparo

Bater as cenouras, o óleo ou água, o açúcar, os ovos o iogurte – caso optar no liquidificador, depois despejar numa tigela e misturar com o fuê incorporando na massa a farinha de trigo e o fermento.
Após incorporar e deixar a mistura homogênea, despejar numa forma untada com margarina ou óleo e farinha de trigo.

Assar em forno a 180ºC por 40 minutos. Retirar após assado e depois desenformar.

Observação 1: cada forno possui característica própria, então, vale a dica do palito limpo de massa.

Cobertura

6 colheres de chocolate
2 colheres (sopa) de açúcar ‘demerara’
2 colheres (sopa) de magarina
Leite se necessário

Misturar e colocar sobre o bolo ainda quente, após esfriar, ela estará com aparência brilhante, que ao cortar, fica quebradiça.

Via Arquivo Pessoal

Ou, pode-se fazer um brigadeiro mole e deixar a dieta de lado (risos)!

Com carinho,

Ná Pironato.

 

 

 

Para o café da tarde: Bolo de Banana Amassada

E que tal um bolo de banana para deixar o café da tarde diferente com as crianças ou até mesmo para receber as amigas? Vem conferir essa receita que faz sucesso na minha família!

Bolo de Banana Amassada 

Ingredientes

6 bananas bem maduras (Nanica)

3 ovos, sendo separadas em gemas e claras em neve

1 xícara e meia (chá) de açúcar, uso o demerara

1 xícara de óleo, podendo ser substituída por água

1 colher de (sobremesa) fermento em pó

2 xícaras (chá) de farinha de rosca ou integral ou de sua preferência

Modo de Fazer

Bater o açúcar , as gemas e o óleo/água. Juntar as bananas amassadas, a farinha de rosca e o fermento. Por último, acrescentar as claras em neve, incorporando a massa levemente. Despejar em fôrma untada com margarina ou óleo e farinha de rosca ou de sua preferência.

Assar em forno a 180ºC por 40 minutos. Retirar após assado e depois desenformar. Polvilhar açúcar de confeiteiro e canela em pó para decorar.

Observação: cada forno possui característica própria, então, vale a dica do palito limpo de massa.

Ah! Se gostarem, pode acrescentar uva passas ou nozes na massa, sem triturá-las, fica uma delícia também.

Espero que gostem, ele fica com textura ótima e abaixa depois de esfriar! Daí para acompanhar, vale aquele café com leite ou um bom chá, frutas frescas para petiscar e um bom papo!

Com carinho,

Ná Pironato.

(Crédito Imagem: GSHOW)

Se vira mãe, por que não vira cozinheira também? As famosas papinhas dos pequenos

Como sempre amei cozinhar e usar a criatividade com a alimentação em casa, os filhos vieram para aumentar sucesso das marmitinhas que acabaram por invadir o IG, venho compartilhar a receita delas com vocês, conforme as idades, apreciem e sempre alinhem-se com o pediatra ou nutricionista, combinado?

A partir dos 6 meses, por aqui iniciamos as papinhas de frutas, depois as de legumes, verduras e proteína, entre outros, juntamente ao aleitamento materno, este que foi exclusivo até então para ambos, Luís Octávio até 13 meses e Ana Júlia até os 9 meses e meio por livre e espontânea vontade deles.

Iniciamos com as frutas mamão, banana, maçã, laranja e pera para ambos, para o Luís Octávio não tivemos nenhum tipo de reação, nem de rejeição, enquanto com a Ana Júlia tivemos a alergia ao mamão e a banana, pausamos e ao retornar, somente a banana que continuou com as reações de vermelhidão na pele, inchaço na área dos olhos e lábios. Ah! E também apresentou prisão de ventre, mas logo depois se normalizou (quase pirei, confesso! rs).

Ao preparar, seguimos a linha de não bater as frutas, nem triturar, raspávamos ou amassávamos com garfo, na medida ideal e aumentávamos aos poucos.

Para o Luís Octávio, a aceitação das frutas foi super tranquila, cruas mesmo, e para a Ana Júlia, ela aceitou somente purês das frutas cozidas, amassadas também, e daí eu congelava algumas para adiantar o tempo de cozimento. As demais, ambos foram iguais, até nas preferências (risos).

Imagens 1, 2 e 3: Meu recipiente de cozinhar ovo que nunca usei para isso, mas sim para cozinhar as frutas da Ana Júlia; Panela de arroz com suporte de cozimento no vapor: ora cozinhava com casca – lavando bem embora fossem orgânicas – ora sem, a única diferença era a textura e por fim como as frutas ficavam. Via Arquivo Pessoal.

Fazia assim, de início, pois misturar na introdução não é melhor indicado já que o bebê vai no estágio de conhecer os sabores:

Com frutas

– 1 maçã crua / cozida raspada ou amassada
ou
– 1 pera crua / cozida raspada ou amassada
ou
– 1/2 mamão raspado a polpa
ou
– 1 laranja lima ou mexerica retirava a ‘pele’ que envolve com a casca, e dava as ‘bexiguinhas’ para apreciarem, sucesso de caretas e pedindo mais!

Imagens 3 e 4: Laranjas descascadas e como ofereço, quando é mexerica, para a Ana Júlia eu pico e para o Luís Octávio, eu deixo os gomos inteiros. Via Arquivo Pessoal.

E depois fui oferecendo melão, melancia, abacate, manga, uva (tirada a polpa e depois comecei a oferecer cortada na direção longitudinal para não engasgar), ameixa, nectarina, pêssego cru e cozido, entre outras. Até que agora comem todas, salvo ao morango e kiwi que só ofereci após 1 ano e meio, é muito fofo de se ver!

Após conheceram a maioria das frutas, comecei a inovar fazendo combinações das frutas, e super aprovaram, ainda colocava aveia ou cereal ou água de ameixa seca para ajudar o intestino da pequena e iogurte caseiro ou coalhada para o Luís Octávio. Algumas das papinhas eu congelava para adiantar o tempo durante a semana, outras fazia na hora, entre elas:

Combinações

– 1/2 maçã com 1/2 pera cozidas amassadas (e depois picadas em mini-pedaços) com pitada de canela, esta eu congelava;

– 1/2 pêssego com 1/2 maçã cozidos e amassados (e depois picadas em mini-pedaços), esta eu congelava;

– 1/2 banana com 1/2 mamão amassados e com laranja / mexerica sem a ‘pele’ em mini pedaços, esta era fresca;

– 1/2 abacate com 1/2 ameixa cozida amassados, esta era fresca.

E mesmo assim, além de ter a criatividade na cozinha, eu consultava a lista passada pela nutricionista infantil que contratei uma consultoria após uma palestra que fui.

Imagens 5, 6 e 7: Diversas combinações e algumas maneiras de oferecer para deixar o prato convidativo. Via Arquivo Pessoal.

Quando iniciamos as papinhas ‘salgadas’ (sem sal, procuro adiar o máximo esse contato, mesmo que mínimo até consumido pelos adultos por aqui), iniciamos pelo almoço e depois a janta, respeitando as quantidades e componentes, a pequena apresentou prisão de ventre novamente (dança para o bebê fazer coco, a gente viu MUITO por aqui, que angústia! rs)

Com legumes

Imagens 8 a 16: Previamente já deixo picado alho e cebola, ou senão pico na hora; utilizo sal somente na nossa parte; utilizo de todas as bocas do fogão para cozinhar, muitas vezes utilizo a panela de pressão para adiantar o processo de cozimento; armazenamento nos potinhos das porções e nas forminhas de gelo de silicone as proteínas. Via Arquivo Pessoal.

Papinha Inicial 1

1 cenoura
1 chuchu
1 mandioquinha
água filtrada q/n
Alho e cebola (processados, textura de pasta)

Papinha Inicial 2

1 fatia de abóbora cabochá
1 batata
1 chuchu
água filtrada
Alho e cebola (processados, textura de pasta)

Papinha Inicial 3

1 batata-doce pequena
Meia beterraba (cozida na pressão e acrescentada no final amassada ou picada)

1 chuchu
Água filtrada
Alho e cebola (processados, textura de pasta)

Papinha Inicial 4

1 abobrinha (de cabeça ou italiana)
1 cenoura
1 mandioquinha
Água filtrada
Alho e cebola (processados, textura de pasta)

* Vale a criatividade nas combinações, são inúmeras muito saborosas!

Refogar os legumes picados em pedaços pequenos e o alho com a cebola coloque-os sem casca e cortados em pedaços pequenos. Cubra-os com água filtrada e cozinhe, com tampa fechada para ser mais rápido e em fogo baixo até que os legumes estejam macios. Retire, deixe esfriar e amasse com o garfo e sirva com a redução do caldo que sobrou do cozimento para auxiliar.

É interessante servir com uma colher de silicone ou macia para evitar a batida na gengiva do bebê, já que eles estão firmando a cabeça ainda.

Observação A)  Após a fase dos legumes, acrescentar 100g de carne vermelha (uso Patinho moído ou Peixinho desfiado) ou branca (uso sobrecoxa desossada orgânica por ser menos seca que o peito) ao refogar, se optar por utilizar azeite ou outro óleo (coco, canola, etc) não deixe que ‘frite’, é um fio ao cozinhar ou ao servir. Ao servir, retirar a carne vermelha ou branca.

Observação B)  Quando for para a próxima fase, oferecer as carnes moídas ou desfiadas junto aos legumes amassados ou em pedaços bem pequenos.

Observação C)  E a ‘última’ fase, acrescentando arroz (integral), macarrão (integral, de milho de arroz ou outro), quinoa, fubá (polenta), tomate picado ou batido para incorporar, feijão (caldinho e depois os grãos), lentilha (caldinho e depois os grãos), grão de bico, verduras, como acelga, couve, espinafre, alface, rúcula, talo de beterraba, folha de espinafre, brócolis, couve-flor, escarola, entre outros.

Gosto bastante de utilizar os pacotes que tem os 7 grãos, também gosto de colocar manjericão, salsinha, cebolinha, salsão, talo de erva doce, alho poro, entre outros e vou variando, só para dar um ‘bouquet’.

Rendimento

É variável entre 2 e 3 porções iniciais, e conforme o passar dos meses, o aumento dos ingredientes é gradativo, mantendo o equilíbrio dos alimentos.

Com o passar do tempo, já vamos conhecendo os alimentos que preferenciais deles e vamos utilizando desta manobra para aceitarem outros (táticas de mãe rá!), mas se você optar em fazer em maiores quantidades (super apoio esta ideia, já que no primeiro filho eu fazia papinha e refeições todos os dias, amava, mas tomava um tempo enorme rs)  que faz parte da organização para fazer as famosas papinhas ou sopinhas, o caldo que sobrar delas, vira caldo de legumes / carne/ frango caseiro, que super indico fazer até para utilizar no dia a dia até com as demais refeições familiares.

Espero que gostem, ‘comam fora da caixa’, é mais saudável, pratiquem #cozinhaterapia, é muito bom! Vale ressaltar que imprevistos e emergências acontecem, então o socorro industrializado é um achado, manter o bom senso e contar com produtos de qualidade nessas horas faz parte. E quando forem sair, programadamente, tentem utilizar de potinhos que guardem a temperatura e levar o que prepararam de casa!

Com carinho,

Ná Pironato.

 

 

 

Boa pedida: Bolo de Iogurte

Uma receita coringa aqui de casa, é este bolo de iogurte, super fácil e que combina com tudo, até para estes dias frios, com um belo Cappuccino! Hum!

Como se não bastasse, andei inventando de colocar bananas no funco da forma untada de açúcar para variar, e não é que ficou bom? E digo também que certa vez acrescentei raspas de limão, o suco e cobertura de leite condensado com limão e não durou um dia!!!

Olhem só, super fácil e rápido:

Bolo de Iogurte

Ingredientes

3 ovos

1 pote de iogurte natural, uso o desnatado ou aquele feito em casa

1 pote (do iogurte) e meio de açúcar

2 potes (do iogurte) de farinha de trigo

1 colher (sopa) de fermento em pó

1 pote (do iogurte) de óleo, podendo ser substituído por água

Adicional: 4 bananas nanicas – super maduras

OU

Adicional: 2 limões – 1 espremido para a massa, raspas na massa e outro espremido para meia lata de leite condensado, a fim de decora e não cobrir totalmente.

Modo de Fazer

Bater os ovos inteiros, depois o iogurte, depois o óleo ou água, o açúcar e aos poucos a farinha de trigo e por último o fermento.

(se fizer o de limão, incorporar o suco e as raspas).

Observação 1: Vale ressaltar que a massa é bem firme, se seu liquidificador for menos potente, acrescente um pouco de leite (até meio copo) para ajudar, senão, retire a parte líquida e misture a farinha de trigo numa tigela a parte incorporando com a massa.

Unte a assadeira com óleo ou margarina com farinha de trigo, para o de banana, polvilhe açúcar com canela e coloque as bananas cortadas em fatias ou rodelas, aqui eu costumo inventar desenhos.

Assar em forno a 180ºC por 40 minutos. Retirar após assado e depois desenformar.

Observação 2: cada forno possui característica própria, então, vale a dica do palito limpo de massa.

Espero que tenham gostado!

Com carinho,

Ná Pironato.

(Crédito Imagem: Arquivo Pessoal)